Código da Vivência

domingo, 19 de fevereiro de 2006

A Fonte

Poucos dias antes de nos deixar, a minha avó apresentou-nos (a mim e ao meu irmão) este poema da sua autoria dedicado à fonte de Cabanões, em Travassô (sua terra), escrito como sabia num pedaço de papel. A dita fonte é da responsabilidade de seu pai - João Baptista - meu bisavô, que não cheguei a conhecer.
...
A Fonte da Avó "Quice"

6 Comments:

At domingo, fevereiro 19, 2006, Anonymous Anónimo disse...

Bonito :)
Beiramarenses

 
At domingo, fevereiro 19, 2006, Blogger Bancada Directa disse...

nÃO ESTÁ MUITO VISIVEL,MAS É BONITO O QUE CONSEGUI LER.
ABRAÇO

 
At domingo, fevereiro 19, 2006, Blogger Helena Thadeu disse...

bancada se clikares na foto ela vai aparecer em maior. Depois há um quadradinho no canto inferior direito, clikas lá e aparece ainda maior. Faz isso porque vale a pena. O Poema é lindissimo.

 
At domingo, fevereiro 19, 2006, Blogger Nuno Q. Martins disse...

Obrigado Helena pela explicação. Basta clicar em cima para aumentar.

Quanto ao poema, publiquei-o aqui em jeito de pequena homenagem pessoal. A minha avó valorizava muito a "sua" fonte. O poema pode não estar muito bem escrito, mas está como ela sabia... e orgulho-me disso.

 
At terça-feira, fevereiro 21, 2006, Anonymous Florbela Barreto Anjos disse...

E de nós quem não gosta da fonte de Cabanões? A água que bebemos é dela.
Força.

 
At quarta-feira, fevereiro 22, 2006, Blogger thesarcasticway disse...

Espectacular

 

Enviar um comentário

<< Home

Estou no Blog.com.pt